Lazer à moda da casa

Soluções sustentáveis dão base a este projeto inteligente e feito para relaxar

Fotos: Joana França

Solta do chão, a casa parece leve, mesmo sendo uma caixa de concreto. O deck da piscina tem espaço para as espreguiçadeiras, que parecem fazer um convite à contemplação da paisagem

O formato trapezoidal entrega: os arquitetos que desenharam esse projeto nos arredores do Plano Piloto não têm o pensamento quadrado. Construída sobre pilotis, a casa de 90 m² foi o primeiro trecho a ficar pronto do conjunto criado pelos arquitetos Diogo Santos e Rodrigo Fortes, feito para um homem solteiro e preocupado com a sustentabilidade da obra. A área de lazer, com pracinha de estar, piscina e deck, nasceu logo na sequência. No futuro, um volume maior, disposto nos fundos do terreno, deve assumir o papel de casa principal. 

Do alto é possível notar o formato trapezoidal da casa e do deck da piscina

Quem visita o endereço se surpreende com a vista de cartão-postal. “Quando aberta, a caixa de concreto emoldura a paisagem”, conta Diogo. Só que esse visual de mirante não é bônus do acaso. Para chegar a esse resultado, o lugar de implantação da casa foi milimetricamente calculado, de forma que a construção ainda pudesse aproveitar as benesses da ventilação cruzada e da sutil inclinação que poupa as áreas íntimas do sol poente. Mais? O chanfro no arremate da estrutura, além de deixar o visual mais leve, age como pingadeira e facilita a coleta da água pluvial, que será reaproveitada para usos não-potáveis na época da seca.

Com as venezianas de alumínio recolhidas, o formato da casa emoldura a vista do cerrado
Simplicidade elegante: concreto, madeira e vidro são os materiais do projeto

LEIA TAMBÉM: 25 anos sem Burle Marx

Com mínimas interferências no terreno, o deck mantém a piscina suspensa para vencer a pequena inclinação do local. Dentro do tanque é possível notar a área de prainha, com pontos de hidromassagem, e a de estar, mais profunda

Lá fora, a área de lazer mereceu atenção especial. A piscina de pedra vulcânica tem duas profundidades. No trecho mais raso há pontos de hidromassagem – ainda mais agradável graças ao sistema solar de aquecimento de água. O design do tanque de 15 m² e suspenso do solo prevê que a lâmina d’água fique quase alinhada com o deck de ipê. Um pequeno vão nesse intervalo recolhe o transbordo e o direciona para tratamento. Por fim, entre a casa e a piscina, a pracinha de cimento queimado se desdobra como cenário de conversas, canto de leitura ou simples local de ficar à toa. Difícil escolher um ponto favorito.

Uma pequena varanda acompanha o traçado da frente da casa. Lá nos fundos, a piscina se mantém protegida de olhares curiosos

3 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *